Primeira Frase

 
**Novo endereço! Clique aqui:

www.academiadeescrita.com

==================================================================

As pessoas costumam jogar truco no colégio e na faculdade. Eu e o Martini já passamos por isso faz tempo. De uma coisa, porém, nos lembramos: a primeira (mão) vale um caminhão. No texto de ficção, a história não é diferente. A frase de abertura já diz muito. É interessante verificar as opções que cada autor faz. Quer ver? Segue uma lista aleatória, lúdica e despretensiosa:

If you really want to hear about it, the first thing you’ll probably want to know is where I was born, and what may lousy childhood was like, and how my parents were occupied and all before they had me, and all that David Copperfield kind of crap, but I don’t feel like going into it.

The Catcher in the Rye. (O Apanhador no Campo de Centeio). J.D. Salinger.

(“Se você realmente quer ouvir a respeito, a primeira coisa que você provavelmente vai querer saber é onde eu nasci, e como foi minha infância desgraçada, e como meus pais estavam ocupados e tal antes de eu nascer, e todo aquele lixo tipo David Copperfield, mas eu não estou a fim de entrar nisso.” – Trad. nossa)

::

My suffering left me sad and gloomy.

 Life of Pi. Yann Martel.

(“Meu sofrimento me deixou triste e sombrio.” – Trad. nossa)

::

What about a teakettle?

Extremely loud & incredibly close. Jonathan Safran Foer.

(“Que tal uma chaleira?” – Trad. nossa)

::

Sempre que a conversa na escola se voltava para a guerra russo-japonesa, Kiyoaki Matsugae perguntava ao seu melhor amigo, Shigekuni Honda, o quanto ele conseguia se lembrar dela.

 Neve de Primavera. Yukio Mishima. (Trad. Newton Goldman)

::

Marina me disse um dia que a gente só se lembra do que nunca aconteceu.

Marina
. Carlos Ruiz Zafón. (Trad. Eliana Aguiar)

::

Às vezes eu penso que gostaria de ser uma moeda de uma libra esterlina em vez de uma menina africana.

Pequena Abelha. Chris Cleave. (Trad. Maria Luiza Newlands)

::

It begins, as most things begin, with a song.

 Anansi Boys. Neil Gaiman.

(“Começa, como a maior parte das coisas começa, com uma música.” – Trad. nossa)

::

Eu estava em meu escritório, o contrato de locação expirara e McKelvey ia entrar com um processo de despejo.

 Pulp. Charles Bukowski. (Trad. Marcos Santarrita)

::

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s